quarta-feira, 16 de junho de 2010

Não me deixe só...


Esses dias me perguntei: vale a pena amar tanto pra depois sofrer da mesma forma?

Amar é como ganhar um cachorro: você o ama muito, mas quando ele se vai, você sofre arduamente e então pensa que antes não tivesse amado tanto, para que não sofresse.

Quando sofremos por amor sempre nos vem a cabeça essa ideia: "se nada disso houvesse acontecido, se eu pudesse voltar no passado e ter mudado as coisas..."

Mas a vida não é assim. A vida não é má, nem boa, ela nem sequer é justa, ela simplesmente acontece independente de quando estamos, quem somos e aonde estamos.

Se me perguntassem se eu mudaria certas coisas no meu passado, eu ficaria na dúvida. Talvez tenha valido a pena ter vivido tudo o que vivi. Talvez teria sido melhor se eu não tivesse entrado nessa.

Por um tempo o nosso coração fica pingando... pingando... pingando. Nós queremos ser vistos, sermos acariciados, sermos protegidos. Queremos palavras de conforto. Mas elas não vem, nem de quem você mais espera. A vida é assim, ela não perdoa sua fraqueza e aí sim ela bate com mais força.

Chega o momento em que você se vê mais recuperado, então, como numa brincadeira da vida, aparece algo que te decepciona mais ainda e te lança mais para o fundo. Você cai lá, num chão molhado, tudo escuro e olha para cima. A pessoa que você amou ri ao te ver ali, se vira e vai embora. Você então fecha os olhos na mais profunda tristeza e pede para fugir dali. De tudo aquilo. Até de si mesmo.

O coração se aperta então, até não poder mais. Você sente que aquilo reflete em você. As coisas perdem a cor, a música perde a melodia, o frio deixa de ser frio e o calor deixa de ser calor. As manhãs são tediantes, as tardes ainda mais e as noites são um terror.

Você reza para que o telefone toque, reza para ler uma palavra sequer de alguém dizendo que se lembra de você.

Então você pensa "a vida é uma merda.".

3 comentários:

  1. A vida nos dá oportunidades diversas. Perder também faz parte da vida. Nos impulsiona para frente, para cima.
    Há momentos para tudo na vida. Até para perder o amor.
    É preferível perder na adolescência, na juventude, do que perder "quando não deveria mais perder".Aí, a dor é ilimitada, os horizontes são mais estreitos, os medos são maiores.
    Enfim,não se abale por perder um amor. Perde-se um amor e terás liberdade de ter outros grandes amores.

    ResponderExcluir
  2. jéssica geni santos rajão21 de junho de 2010 17:59

    lendo esse texto tive a sensação de uma frustção, de uma tristeza misturada a decepção. A vida é assim na maioria das vezes. Mas se somos otimista, corajosos seguimos em frente. E seguir, acreditar, sonhar, viver, ousar e lutar é o grande segredo para chegar lá e vencermos. E isso faz a diferença. Um grande beijo. Sua mãe.

    ResponderExcluir
  3. A vida "às vezes" é mesmo uma merda!
    Mas muda! rsrs

    Baseado nesse pensamento vai um frase:

    *Sempre passa, talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe? Impulso vital.
    Esse impulso não permite q uma dor insista muito tempo, de repente no meio de um dia , de uma frase: feliz de novo!*

    Bjs.

    ResponderExcluir